quinta-feira, 9 de setembro de 2010

MEMÓRIAS DAS MINHAS EXPERIÊNCIAS COM TUBARÕES 2006


Há uns anos fiz parte de uma tripulação especializada na captura de tubarões, para serem etiquetados, possibilitando uma posterior localização e identificação das rotas percorridas.
As espécies referenciadas foram o Tubarão Azul (Tintureira) e Anequim.
O local onde fomos capturar os tubarões situa-se a cerca de 12 milhas da costa (aproximadamente 24 Km), portanto o risco dos tubarões se aproximarem das praias é praticamente nulo.Para o efeito utilizámos canas especiais com anzóis apropriados e "estralhos" em cabo de aço.O isco utilizado é preferencialmente a cavala.
Vou explicar como este processo funciona:
Coloca-se a cavala no anzol, sendo aconselhável cortar-lhe o rabo para que quando estiver submersa sangre, atraindo os tubarões.Utilizam-se várias canas, aumentando o número de isco na água e a probabilidade de captura.Colocam-se as cavalas a profundidades variáveis, não muito próximo do fundo, dado que o tubarão caça preferencialmente perto da superfície.Prepara-se o engodo (cavala esmagada dentro de uma rede tipo "chalavar") que se pendura na borda para ir deixando rasto na água.A embarcação fica à deriva (motores desligados), ao sabor das correntes e do vento, não sendo conveniente que se desloque demasiado rápida ou lenta.
Depois é aguardar.
Com a deslocação da embarcação as cavalas ficam em movimento atraindo os tubarões.Quando se confirma tubarão na linha há que ter cuidados especiais para coloca-lo dentro da embarcação e imobiliza-lo.
Após a captura os tubarões são etiquetados e medidos, evitando-se a todo o custo provocar quaisquer danos no animal, sendo no mais curto espaço de tempo devolvidos ao mar.
É sem dúvida uma actividade interessante.