segunda-feira, 6 de setembro de 2010

MEMÓRIAS VILAMOURA - BAYONA 1985




Uma das maiores aventuras náuticas que experimentei foi sem dúvida a viagem entre Vilamoura e Bayona a bordo dum veleiro de 32 pés (cerca de nove metros e meio) com o nome de Piedras Negras.

O skipper António Viegas convidou-me para fazer parte da tripulação do Piedras Negras com o objectivo de realizar o transporte deste veleiro desde a Marina de Vilamoura até á Marina de Bayona (Espanha perto de Vigo).

Juntou-se a nós o Rui Belchior e largámos da Marina de Vilamoura ao início da tarde, tendo dobrado o Cabo de S Vicente ao cair da noite. Até Sesimbra a viagem decorreu normalmente, mas a partir daqui viria a complicar-se, dado que começou a cair nevoeiro, com a ronca do farol do Cabo Espichel a avisar os navegantes para esta situação. Como o vento caiu completamente tivemos de ligar o motor.

Dobrado o Cabo Espichel, o nevoeiro fechou completamente, e já noite cerrada começámos a ouvir um barulho na direcção do nosso barco, barulho esse que parecia de uma lancha a motor. Sustivemos a respiração e lembro-me do António Viegas ter dado sinais sonoros com uma buzina. Para nosso espanto e satisfação concluímos que se tratava de golfinhos.

Navegámos (sempre a motor) debaixo de nevoeiro cerrado durante toda a noite (apenas com o reflector de radar içado numa adriça) e na manhã seguinte o nevoeiro começou finalmente a dissipar, tendo o António Viegas tomado a decisão de aportar em Peniche para reabastecer.Resolvemos passar esse dia na Berlenga, que aproveitámos para conhecer.

No outro dia voltámos ao mar e na zona do Cabo Mondego apanhámos uma violenta tempestade que ultrapassámos com alguma dificuldade.Essa semana ficou infelizmente marcada com o naufrágio de dois veleiros na zona da Figueira da Foz, o que transtornou e criou natural ansiedade aos nossos familiares quando souberam da trágica notícia.Seguimos viagem para Norte, e chegados a Leixões o tempo melhorou o que deu para prepararmos uma reconfortante refeição.

Após dobrar o Cabo Sileiro chegámos à Marina de Bayona, onde ficámos durante uns dias.O António Viegas, a partir de Bayona integrou uma tripulação num veleiro com destino a Maiorca, eu regressei ao Algarve na tripulação dum veleiro Norte Americano, e o Rui Belchior regressou a casa por transporte terrestre.
Foi uma bela aventura.